Ações reforçam abastecimento em Maranguape

Governador acionou estação de bombeamento do rio Maranguapinho, que passou a ter sistema adutor para aproveitamento da água. Expectativa é de que 104 mil pessoas sejam beneficiadas com ações

Após três ou quatro dias sem água na torneira, a relação de quem é afetado pela escassez é modificada. “Temos que economizar até a última gota”, preocupa-se Gervânia Vieira, 27. A dona de casa é moradora da região circunvizinha do rio Maranguapinho, que passou a ter sistema adutor da barragem para aproveitamento das águas desde o final de novembro. Na ocasião, foi acionada ainda a estação de bombeamento para abastecimento do município de Maranguape (na Região Metropolitana de Fortaleza).

 

Com a intervenção, 200 litros por segundo são adicionados ao sistema. A água sai do Maranguapinho e segue pela adutora por 3,8 km até a Estação de Tratamento (ETA) da Cidade. O Governo do Estado estima que 104 mil pessoas de 16 localidades e dois distritos de Maranguape serão beneficiadas com a ampliação. O investimento foi R$ 3,8 milhões pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh). A ação faz parte do Plano de Segurança Hídrica para Fortaleza e Região Metropolitana, apresentado em julho.

 

O açude tem capacidade de acumulação de 9,35 milhões de metros cúbicos e atualmente tem 7,9 milhões. A obra possibilita a transferência da captação do Sistema de Abastecimento de Água (SAA) de Maranguape do açude Gavião para o açude Maranguapinho. O sistema adutor deverá operar até 21 horas/dia, evitando o horário de ponta no fornecimento da energia elétrica.

 

Relação com a água

A seca modificou a relação da família de Gervânia com o uso e a economia de água. Guardar água em tambores e tomar “banho de cuia” são estratégias dos moradores. “Banho de chuveiro gasta muito mais”, ensina. Ela conta que a situação da família “não é pior” por causa da cacimba no quintal de casa, utilizada com cuidados pelo medo de a única reserva de água acabar. Além da família, os vizinhos utilizam a cacimba quando falta água.

 

A pequena plantação da família está prejudicada há cerca de um ano e meio, quando a situação piorou. Macaxeira, feijão e favas são plantados para o próprio consumo — com ressalvas. “Se a gente tirar água da cacimba para aguar, ficamos sem ter para beber”, pondera.

 

Recursos

O governador Camilo Santana (PT) reiterou a necessidade de investimentos do Governo Federal para a realização de ações de abastecimento e como forma de recuperação econômica. “A maioria dos estados do Nordeste tem capacidade de atrair financiamentos. Nós temos pedido que o Governo libere (recursos) para retomar e iniciar obras”, disse. De acordo com Camilo, o aporte de R$ 40 milhões para obras no Estado, liberados pela União no dia 25 de novembro é insuficiente. O governador havia solicitado R$ 110 milhões.

 

Camilo ainda ressaltou a estimativa de retorno das obras transposição de águas do rio São Francisco para fevereiro do próximo ano.

 

Números


200 litros de água por segundo serão inseridos no sistema com o bombeamento

 

104 mil pessoas devem ser beneficiadas com as ações inauguradas

Observatório de Políticas Públicas de MaranguapeAções reforçam abastecimento em Maranguape

Ações reforçam abastecimento em Maranguape

Veja Também os Posts Relacionados!

Ainda com sede por conhecimento? Veja o que encontramos no OBSERVATÓRIO com base neste assunto. Isso pode complementar seus conhecimentos.

Topo