Distrito de Lages

HISTÓRICO DO DISTRITO DE LAJES

O Distrito de Lajes surgiu por volta dos anos de 1800, segundo coleta de dados com pessoas idosas da comunidade. Antes era uma grande vegetação, e aos poucos foram chegando famílias oriundas de outras regiões que aqui se fixaram, e gradativamente foi se formando um povoado, localizado no sopé da serra de Aratanha, e que por sua composição rochosa foi denominado Lajes, pois o solo em sua grande maioria é rocha. Eis o porquê do nome.

 Seguindo o exemplo de outros povoados, a população é de origem simples, formada por pequenos agricultores que com muito trabalho conhecida por Dona Cota, outras pessoas se engajaram para a criação do povoado: Coronel Antonio Botelho, Filadélfia Vieira, Angelina Vieira Rocha, Joaquim Alves de Barros, Manoel Simplício, Cordolino Honório de Abreu, Belarmino Barros, Martinha Rebouças, Cícero Frutuoso de Andrade e tantos outros.

 Maria Pereira das Graças, juntamente com outras pessoas encabeçaram encontros religiosos. Ela por ser uma devota de Santa Luiza, começou em sua própria residência o novenário de Santa Luiza. Em 1924 foi inaugurada uma pequena capela em frente sua residência, quem a inaugurou foi o Padre Rosa, vigário geral na época. Depois de alguns anos a capela ameaçou desabar, então o Padre Rosa, achou melhor fechá-la, pois não queria por a vida dos fieis em perigo. Algum tempo depois, outros fiéis como: Zeca Barros, Ribamar, Clotilde de Sousa e Jose Anselmo, trabalharam em prol da construção de uma nova capela.

 Em 1949 conseguiram inaugurá-la, desta vez localizada no centro da comunidade. Em 1974, foi comemorando 50 anos de devoção, com a chegada de uma nova imagem de Santa Luiza, deixando os paroquianos envaidecidos e encorajados para continuarem os festejos, mais fortalecidos na fé. No que diz respeito aos trabalhos da igreja eram realizados os seguintes sacramentos: Batismo e 1ª Eucaristia. Estando a frente desses trabalhos durante muitos anos, Maria Honório Machado, já falecida.

As curandeiras (rezadeiras) de Lajes eram: Joana Vieira da Rocha, Edivirgens Gomes e Domingos Vieira da Rocha. Existia em Lajes uma senhora de mãos milagrosas D. Clotilde Gomes de Sousa (mãe Clotilde) que prestava serviços de partos nas seguintes localidades: Cachoeira, Boa Vista dos Vieiras, Boa Vista dos Motas, Boa Vista dos Valentins, Jubaia, Umarizeiras, Cacimbão, Trapiá, Cajazeiras, Penedo, Ladeira Grande, Tabatinga, Saco Verde e Lajes. Temos as casas históricas como: Engenho Coronel Botelho, Casa dos Cordeiros, Casa da D. Martina.

 De forma que Lajes, hoje esta expansiva em todos os setores da sociedade. Temos a igreja que está sempre no processo de reciclagem, objetivando a melhoria e tornando-a mais chamativa para os fieis. Para isso contamos com uma equipe de Batismo, Catequese, Dízimo, Liturgia e duas ministras de eucaristia. Ressaltamos que aos domingos não há Missa, porém realiza-se a Celebração da Palavra.

 Após anos, Lajes dá mais um passo no desenvolvimento. Através do projeto de Lei de autoria do vereador Jose Gadelha Junior e que aprovado em votação na Câmara Municipal, foi transformado em lei 1074/91 em 18 de fevereiro de 1991, na administração do Dr. Raimundo Gomes de Matos, Lajes torna-se Distrito abrindo assim novas conquistas.

Atualmente, Lajes conta com uma rede telefônica, abastecimento de água, posto de saúde, escolas de Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio, para os alunos fora de faixa etária (telecurso). Contamos com o acesso de transportes coletivo para a Sede do Município. E dessa forma caminhamos em busca de um amanhã mais feliz para nosso distrito, que tem como sub-localidade.

 Saco Verde, Boa Vista dos Vieiras ao leste Serra da Aratanha e no Município de Pacatuba e tem como acesso principal a Rodovia Senador Carlos Jereissati.

 

Observatório de Políticas Públicas de MaranguapeDistrito de Lages

Distrito de Lages

Veja Também os Posts Relacionados!

Ainda com sede por conhecimento? Veja o que encontramos no OBSERVATÓRIO com base neste assunto. Isso pode complementar seus conhecimentos.

Topo